Ingra Lyberato

Ingra Lyberato

Filha de cineasta, Ingra Lyberato estreou no cinema aos sete anos, no curta-metragem “Ementário”, dirigido por seu pai Chico Liberato. Ainda jovem, mergulhou na dança contemporânea e ingressou na UFBA, mas nos anos noventa despontou como atriz e referência de sua geração.

Além de se destacar em obras marcantes na TV como “Tiêta”, “Pantanal”, “A História de Ana Raio e Zé Trovão”, “A Indomada” e “O Clone”, conquistou prêmios nacionais e internacionais por longas e curtas-metragens. Entre os filmes que lhe renderam prêmios estão “Dois Córregos”, de Carlos Reichenbach , “Eu não conhecia Tururu”, de Florinda Bolkan e “Valsa para Bruno Stein”, de Paulo Nascimento, pelo qual ganhou o Kikito de Ouro do Festival de Gramado, de Melhor Atriz em 2007.

No teatro atuou em várias produções de sucesso de público e crítica, como “Mais-que-imperfeito” de Marcelo Rubens Paiva, “Feliz por Nada”, de Martha Medeiros, “Inimigas Íntimas” de Artur José Pinto, em cartaz desde 2007 e o elogiado “O filho do presidente” de Christopher Shinn.

Em 2016, Ingra idealiza e roteiriza série documental, “Peões, Vaqueiros e Outros Cavaleiros” que é selecionada pelo PRODAV 03, Núcleo Criativo e lança o livro “O Medo do Sucesso”, editado pela L&PM. Em 2017 Ingra vende os direitos da série “As Amazonas”, em fase de filmagem, ganha o PRODECINE 05 com projeto de documentário, “A Vida é da Cor que Pintamos” e finaliza seu segundo livro “A Natureza Oculta Iluminada”, consolidando o início de sua carreira de escritora e roteirista, paralelamente ao seu trabalho de atriz.